Espanha Campeã da Eurocopa 2008

A Fúria conquistou seu segundo título europeu; o anterior foi em 1964, da Eurocopa disputada na Espanha. A Alemanha continua sendo a seleção que mais vezes levantou a Copa. Foram três vezes: em 1972, na Bélgica, e 1980, na Itália, a Alemanha Ocidental saiu campeã. Em 1996 a Alemanha (unificada) venceu a Eurocopa disputada em solo inglês.

A surra, isto é, o jogo

Eurocopa 2008

No princípio do jogo tive a impressão de que Casillas teria uma noite difícil. Aos três minutos de começado o jogo, o zagueiro espanhol Sergio Ramos fez um mal passe na defesa, entregando a bola para Klose. O alemão invadiu a área, mas adiantou a bola quando tentou escapar da marcação de Puyol. Foi apenas um susto, mas podia ter sido um desgraça para os espanhóis levar um gol tão cedo.

Logo depois, aos sete minutos, Ballack avançou pela esquerda até a linha de fundo, driblou Puyol com muita categoria e cruzou. A bola passou por cima de Casillas, que estava na primeira trave, e se perdeu pelo lado oposto da área. Não havia um jogador alemão para definir na segunda trave, mas ficou mostrou que a defesa espanhola não estava segura.

Um minuto mais tarde Klose passou para Hitzlsperguer, que chutou de fora da área, sem muita força, para defesa fácil de Casillas. A Espanha não aparecia no jogo.

O despertar da Fúria – Iniesta em grande nível

Somente aos 14′ chegou a primeira chance para a Fúria. Iniesta recebeu passe de Xavi Hernández, cortou pro meio e chutou. A bola se desviou em um zagueiro alemão, e Lehman teve que fazer grande defesa para evitar o gol contra.

A Espanha começou a jogar melhor e a ter maior posse de bola. Aos 17′ os espanhóis tiveram uma cobrança de falta ao seu favor, que terminou fácil nas mãos de Lehman. Três minutos depois, Xavi fez um bom cruzamento da direita, e Fernando Torres cabeceou alto pra fora. No minuto 22, Sergio Ramos fez um cruzamento da direita, Fernado Torres cabeceou, e desta vez a bola beteu na base da trave direita de Lehman. Capdevilla pegou o rebote (a bola saiu da área) e chutou forte; passou perto da trave esquerda do goleiro alemão.

Domínio da Espanha

A Espanha dominava o jogo. A zaga alemã sempre dava o passe à frente pra deixar Fernando Torres em impedimento, uma tática muita arriscada. Nos minutos seguintes não houveram grandes oportunidades para nenhuma das duas equipes.

No minuto 31, a defesa alemã errou na saída, Cesc Fábregas aproveitou e chutou de fora da área. O disparo foi ao meio do gol, fácil para Lehman. Tanta pressão espanhola seria recompensada. Aos 32 minutos, Iniesta fez um passe profundo para Torres, o zagueiro alemão protegia a bola com o corpo enquanto Lehman saía do gol em busca da bola. No entanto, Torres continuou lutando, ganhou a posição do zagueiro alemão e tocou a bola por cima de Lehman, quando o goleiro chegava para intervir na jogada. Espanha 1, Alemanha 0.

Alemanha sem reação

No minuto 34, Iniesta invadiu a área pela esquerda novamente, passou pro meio, mas seu companheiro chutou alto pra fora. Um minuto depois, Senna e Ballack foram dividir uma bola e bateram as cabeças. O brasileiro nacionalizado na Espanha não teve maiores consequência, já o astro alemão teve que sair para ser atendido. Voltou cinco minutos mais tarde, com um corte costurado na sobrancelha direita.

Aos 40 minutos a Alemanha teve uma falta ao seu favor; terminou em um escanteio, que não levou perigo ao gol de Casillas. Aos 41, outro escanteio, novamente infrutuoso. Aos 42′, Ballack levou cartão amarelo por reclamação; Casillas, que tinha ido até o meio campo conversar, foi punido igualmente. Na minha opinião, nenhum dos dois mereceu o cartão.

Faltando um minuto para o fim da primeira parte, Iniesta novamente invadiu a área pela esquerda; a chance era boa, mas ele demorou para tomar uma decisão, e terminou conseguindo apenas um escanteio. Os epanhóis preferiram fazer a cobrança curta, para não dividir a bola, e a reteram até o fim do primeiro tempo.

Segundo Tempo

A Fúria continuou melhor no começo da segunda etapa. Quando corriam sete minutos, Torres invadiu a área pela direita, e passou para Iniesta, que chutou cruzado, com muito perigo para o gol adversário. Foi escanteio, pois Lehman chegou a tocar na bola com a ponta dos dedos. Na cobrança, a defesa alemã tirou a bola, que sobrou para David Silva chutar cruzado; foi pra fora, mas, no caminho, Sergio Ramos quase desviou pra dentro do gol.

Aos nove, outro passe profundo para Fernando Torres. Foi uma jogada parecida ao gol, só que desta vez Lehman chegou primeiro. Dois minutos depois, saiu Hitzlsperguer para a entrada de Kevin Kuranyi. Sergio Ramos, aos 13′, chutou cruzado da direita: a bola cruzou toda a pequena área com muito perigo. A Alemanha estava muito imprecisa.

Contudo, tiveram boa chance aos 14′. Puyol errou passe na defesa, e Ballack chutou forte: a bola bateu na rede pelo lado de fora. Aos 16 minutos, Casillas pegou um cruzamento que vinha para Kuranyi. Um minuto depois, novo cruzamento na área espanhola: a bola atravessou a pequena área sem ser tocada. Foram minutos de sufoco para a Espanha. Logo após, Schweinsteiger tentou um chute de fora da área, pela direita: a bola ia em direção ao gol, porém, bateu em um companheiro e se perdeu pela linha de fundo.

Jogada perigosa dos alemães…

Santi Cazorla entrou em lugar de David Silva, aos 21′. Um minuto depois, houve mão de um jogador alemão, na lateral direita. Quando era feito o cruzamento, a defesa alemã avançou pra fora da área, tentando deixar os espanhóis em posição ilegal. Falharam, Fernando Torres e Sergio Ramos estavam habilitados; Ramos se jogou de peixinho, cabeceou, e Lehmann espalmou pra fora.

Novamente fizeram curta a cobrança do escanteio, para Iniesta, que chutou forte pro gol: Torsten Frings, que estava na primeira trave, tirou a bola com a canela. No minuto 23, Iniesta invadiu a área pela esquerda, conseguiu chutar mesmo estando bem marcado: a bola bateu no peito do goleiro Lehmann. A Espanha era muito superior, coletivamente e individualmente.

Frings fez cobrança de falta aos 25′, de longe da área, e Casillas socou sem maiores consequências. Aos 29′, Torres foi punido com cartão amarelo; o juiz achou que o atacante espanhol tivesse dado uma cotovelada no adversário, mas a repetição televisiva mostoru que os jogadores apenas chocaram as cabeças.

Nada no ataque e pouco na defesa

Aos 31′ a Espanha tinha uma grande chance pra matar o jogo, de contra-ataque, com a Alemanha completamente aberta. Torres avançou pela direita, passou para Xabi Alonso, que subia pela esquerda. Este entrou na área, e em vez de chutar, passou para Torres novamente, que, já marcado, chutou em cima do zagueiro alemão. Xabi Alonso desperdiçou boa chance.

Para a surpresa de todos, o técnico Luis Aragonés tirou Torres de campo aos 32′ da seunda etapa; em seu lugar entrou Daniel Guiza. Na Alemanha, saiu Klose, aos 33′, e entrou Mario Gomez.

Marcos Senna, um dos grandes expoentes da Fúria nesta Eurocopa 2008, teve grande chance de marcar, aos 36′. Guiza cabeceou em direção da pequena área um cruzamento que veio da direita, Senna se jogou de carrinho mas não pôde chegar. A Espanha dominava a partida, jogando com calma, com inteligência.

Faltando cinco para o final, Senna recebeu falta perto da área. Xavi Hernández mandou por cima do travessão na cobrança. Acho que seria melhor para o próprio Senna, que tem uma pegada forte e precisa.

A Alemanha pouco podia fazer. Kuranyi tentou avançar aos 42′, mas estava impedido. Um minuto depois o atacante alemão fez uma dura falta em Marcos Senna, e levou cartão amarelo.

Em cima da hora, a Alemanha conseguiu entrar na área espanhola, mas no meio da luta pela bola, o juiz marcou falta do ataque alemão. Não sei se foi; a repetição televisiva não aclarou a situação. A Espanha reteve a bola nos últimos minutos e se consagrou campeã.

Espanha justa campeã

A superioridade da Espanha é indiscutível, é a merecida campeã desta Eurocopa 2008. A alegria dos seus jogadores era imensa. Por outro lado, alguns alemães tiravam a medalha de prata enquanto desciam do pequeno palco construído para a premiação. Eu sei que é ruim perder, mas essa atitude é uma grande falta de respeito. Fala sério, isso é coisa de argentino (fizeram isso na última Copa América e na anterior, e na Copa das Confederações também).

Sem dúvidas, esta final foi MUITO melhor que a final da última Copa do Mundo. Aliás, toda a Eurocopa 2008 foi melhor do que a Copa do Mundo 2006, e leve em conta que a Eurocopa é disputada por menos seleções, tem menos jogos…

Com o título, a seleção da Espanha ganha uma vaga na Copa das Confederações do ano que vem, competição da qual o Brasil também participa (por ter ganho a Copa América 2007).

Se você gostou do show dos homens, veja o espetáculo das mulheres.


Technorati : , , , , , , , , ,

Um Comentário em “Espanha Campeã da Eurocopa 2008”

  1. Senna, inmenso, As del Balón

Leave a Reply